segunda-feira, agosto 01, 2005

2. O cidadão JF Silva Sousa escreveu-nos

Mensagem de e-mail recebida de JF Silva Sousa

Obviamente a nossa história esta cheia de momentos nada democráticos Monarquia e Estado Novo e a população não aprende sozinha a não democracia resume-se em não ouvir os outros situação muito querida pelos políticos e que os senhores neste blog igualam ao não permitir comentários!

A resposta de
Cidadania em Acção

Caro senhor,

Certamente que as coisas não são como diz no que ao Cidadania em Acção respeita, porque o movimento ouve os outros. Está, agora, a ouvi-lo a si. Se fosse como diz, não lhe estaríamos a responder. Como estamos.

O movimento tem como Princípios e Objectivos o que poderá ler no nosso blog e de que retiramos um extracto para melhor elucidação.

(…)
anunciam publicamente que a sua actuação será pautada pela estrita observância de princípios de clareza, transparência e frontalidade de acção, que passará pelo questionamento dos procedimentos de entidades e personalidades públicas, no desempenho de cargos igualmente públicos, que cheguem ao seu conhecimento e que, por qualquer motivo, devidamente ponderado
, se lhes afigure necessitarem de esclarecimento democrático a prestar aos cidadãos portugueses.
Esse questionamento observará as necessárias cautelas, no sentido de que jamais seja posta em crise a honorabilidade de instituições, entidades ou pessoas, mas sem que tal circunstância inviabilize o objectivo,
que é uma exigência, de obter e colocar à disposição do público em geral os esclarecimentos indispensáveis, no respeito devido a sociedade que se pretende democrática e que nessa configuração reclama ver-se reconhecida. Não se esgota a nossa intenção, porém, no apontar das más práticas e de questionar quem por elas seja responsável.

(…)
Pretendemos ir mais longe e divulgar igualmente o que de positivo se vai fazendo em Portugal, atribuindo aos seus autores os méritos que lhes são próprios.
(…)


Como poderá constatar, o blog do movimento cívico Cidadania em Acção não é um Forum de discussão. Nem podia ser. E, para que se perceba que não podia realmente sê-lo, permita-nos que lhe demos um exemplo elucidativo:

Imagine, só por um momento, que, a poder comentar como bem entendesse, um qualquer comentarista – a coberto do anonimato - vem ao blog e delata uma série de falsidades, atentatórias do bom nome de pessoas e instituições. Como está coberto pelo anonimato dirá as coisas mais abstrusas que se podem imaginar. Coisas que jamais seria capaz de dizer frente a frente com as pessoas que delata ou cujo bom nome ofende em praça pública.

Quem assumiria a responsabilidade? O movimento. Dir-me-á que isso também pode acontecer com um blog de um cidadão isolado. Claro que pode. E basta dar uma vista de olhos pela blogosfera para ver tristes exemplos desses. Ora, acontece que o movimento, porque tem os princípios e objectivos que tem, não se pode dar a esse luxo. Não pode dar abrigo visível a comportamentos abusivos desse cariz. Como certamente e com toda a facilidade compreenderá.

Aliás, no post Adesão e Colaboração está descrito, sem lugar para dúvidas, como qualquer pessoa pode aderir e colaborar com o movimento. Vejamos:

(…)
Qualquer cidadão que tenha conhecimento de procedimentos públicos que, por qualquer motivo, lhe pareça necessitarem de esclarecimento democrático a ser prestado aos portugueses, deverá - através do email deste blog - fazer chegar o assunto (com factos, designação de entidades e nomes de pessoas envolvidas) ao Movimento, a fim de que, após a necessária ponderação e decidido o questionamento, cidadania em acção se dirija directamente ao(s) visado(s), a fim de obter o esclarecimento devido.
(…)

Uma vez feito isto, o núcleo do movimento procederá a uma primeira análise dos factos indicados e se, em seu avisado critério, concluir que o que se lhe noticiou “tem pés para andar”, avança, questiona a pessoas ou pessoas em causa, directa e abertamente, não sob anonimato, como por aí se escreve.

É, como vê, uma atitude substancialmente diferente daquelas a que certamente está habituado a assistir.

Cidadania em Acção é integrado por pessoas com o sentido das responsabilidades e que pretendem confrontar outros com as suas próprias responsabilidades. Para isso, não pode ter “esqueletos nos armários de casa”.

Para terminar, permita que lhe deixemos uma pequena nota: a Democracia não autoriza qualquer espécie de anarquia. Menos ainda de irresponsabilidade. Muito pelo contrário, a Democracia é o regime político que não existe verdadeiramente sem o respeito pelo contrário, respeito esse que passa também por não apostrofar seja quem for de antidemocrático ou não democrático só porque não nos faz a vontade, principalmente porque essa vontade, uma fez feita, pode causar sérios e irremediáveis prejuízos a terceiros ou até a nós próprios.

Estaremos sempre ao seu dispor. Se sabe de algo que não está bem, ao nível da actuação concreta de algum agente político ou de detentor de cargo público, veja, por favor, nos princípios e objectivos e na forma de aderir ao movimento e de colaborar, que se encontram no blog do movimento, siga os procedimentos que lá estão enunciados muito claramente e verá que, se o que aponta “tiver pernas para andar”, nós fá-lo-emos andar. Como já provámos que fazemos, aliás. Se, pelo contrário, tem algo de bons procedimentos na política ou na administração pública a salientar, então faça o saber ao movimento, que será com todo o gosto que lhe daremos publicidade.

2005 Agosto 01

Cidadania em Acção
- movimento cívico –
...